quarta-feira, 23 de março de 2011

Voltando



Voltas para casa

Heroína anônima;


Ninguém viu tua luta

Quem saberá quanto custou teu dia?


Tuas pernas cansadas

Exultam de alegria

Do dia que foi trabalho

Do alimento,que trazes na bolsa;


Teu pensamento já chegou em casa

E te imaginas repartindo o pão

Que trazes contigo...


Eles sorrirão!

E,perante isso

O que é o teu cansaço?


Caminhas um pouco mais rápido

O lar está perto

Ainda esperando teu trabalho


Eles sorrirão

E, perante isso

O que é o teu cansaço?


By Mary Leal



.

sábado, 19 de março de 2011

MULHER SENSÍVEL,SER DE MUITOS INSTINTOS,DE MUITOS TOQUES;


ELA, QUE É APAIXONANTE,QUE SE APAIXONA E PROVOCA DELÍRIOS DE AMOR;


MULHER QUE O POETA ESCREVE E A IGUALA COM A FLOR;


ÉS TU MULHER ,TODO ENCANTO E PURO AMOR.

BY MARY LEAL

sexta-feira, 18 de março de 2011

Vou falar de Boqueirão você vai se animar.








Aí se eu pudesse voltar
Aos antigos são João
Que dancei em Boqueirão
Lá no largo do mercado

Foram festas animadas
Que nunca podemos esquecer
Vale à pena relembrar
Pra manter a tradição
Do são João de Boqueirão
Não podemos esquecer

Depois de saborear uma mesa sempre farta
Com pamonha,canjica,queijo e espiga de milho assada
Vestia vestido estampado
Ou então quadriculado
Cheio de laços de fita
E ia dançar no mercado

Quem não dançou um forró
E voltou no ano vindouro
Pra se arrasar com a sanfona
De Diomedes o “Dedo de Ouro”
E ver Dedé de Eduardo se animar
Marcando uma boa quadrilha

Dizia Dedé entusiasmado
Seus pares pode arrumar
Vamos dançar até o sol raiar
A sanfona vai gemer
Dos antigos são João de Boqueirão
Eu não posso esquecer

E o compositor João Gonçalves
Que fez forró de sucesso
Falou que em nossa terra
Tem pescaria de progresso
Aqui tem pesca de montão
E também tem” lapa de minhoca que causa admiração...”

E as quadrilhas dos bairros
Animação não faltava
Na Rua Félix Araújo
Tinha até encenação
Lembrando o rei do Baião
O mestre Luiz Gonzaga

Eita que é bom relembrar
Os tempos de outrora
Bateu uma saudade no peito agora
Mas sempre vou escrever
Meu relato pra você
Dos antigos São João de Boqueirão eu não posso esquecer.

(Mary Leal)

OS KIKOS DO MEU BEM



Curiosa pra saber
Sobre os kikos do meu bem
São bichinhos bem pequenos
Marinhos , vivem num vai e vem


Mas meu bem era criança
Quando comprou os kikinhos
Cuidava,alimentava a esperança
De ve-los crescendo sozinhos


Meu bem muito curioso
Vivia a experimentar
Sempre atento a perceber
Um dia daqueles ovos
Algo iria aparecer


Muito tempo eles passaram
viveram,cresceram enfim...
Mas esse experimento
Um dia chegou ao fim


Meu bem não se ponha triste
Pense que pra você valeu
Hoje você fala dos kikos
Garanto que nunca esqueceu.

Mary leal
DOM PIJAMA E DONA MEIA

Dom Pijama e Dona meia
Seguiram o mesmo passo
Dançaram a noite inteira
Cantaram o mesmo tom
Nunca fora do compasso
E nessa dança ligeira
Passeando pela vida
Sem cair nem tropeçar
Nem sinal de despedida
É que os dois sempre sonharam
Seguiram na vida assim
Pediram ao Pai celeste
Para um começo sem fim
Um dom divino se deu
Para Dom Pijama e Meia
Por isso ainda no sonho
a dança é costumeira.

Mary Leal